30 de setembro de 2005

SPEAK YOUR MIND OUT!!!

Para os quantos que lêm e os muitos poucos que comentam este e neste blog...

Este é o post que convido a publicarem o que vos vai na alma... sem censura. (também nunca houve!)

O tema? O que quiserem!

E para os que têm receio de se saber que foram eles que escreveram... cliquem no anonymous! Nem sequer eu fico a saber quem escreveu...

Vá!!!... Sem receios!!... Não morde!... e mais... faz bem à alma

3 comentários:

Anónimo disse...

Bem sei que vem atrasado, mas gostaria de aqui expôr um ponto de vista de quem apenas há pouco tempo observa o rugby com a devida atenção: parece-me que um dos problemas essenciais da modalidade se relaciona com o baixo número de praticantes, sobretudo nas categorias femininas.

Na minha perspectiva, a resolução do problema passa pela criação de protocolos triangulares: escolas-clubes-FPR, que potenciem em locais específicos o rugby como modalidade inserida nos programas curriculares de educação física.

Em Portugal, a modalidade é ainda vista como «um conjunto de gajos à pancada e atrás de uma bola oval, tipo futebol-americano». É uma tristeza mas é verdade...

Dentro de poucas semanas vou ser pai de uma menina. Certamente que durante a sua infância ela irá ver muitos jogos de Rugby comigo e se um dia ela quiser aprender terei de encontrar um clube para isso. O problema é que o rugby feminino não tem quase expressão e os clubes que o apoiam contam-se pelos dedos.

Rui Vasco Silva
http://rugby.com.sapo.pt

Roger disse...

hei vim cá só para publicitar o blogue do rugby AAUMinho!

www.rugbyaauminho.blogspot.com

visitem-no!

melhores cumprimentos

Joao Peral disse...

Sobre o Rugby Feminino (Muri, nunca fizeste um "post" sobre isso) o problema começa desde logo no facto de a maior parte dos Clube não ACREDITAR no interesse do Rugby Feminino. Então para quê criar ou apioar uma equipa? Ao menos demonstra coerência. Pessoalmente acho que importa é definir o que se pretende... se for só para as "miudas se divertirem" (o "rugby das namoradas" com se dizia há uns anos) então assuma-se e nao se criem falsas expectativas... mas neste momento "vende-se" a ideia de que o Campeonato se quer sério e "a sério", mas depois os árbitros são muitas vezes ou péssimos, ou medianos e de uma permissividade-paternalista imcompreensível... Os campeonatos são alterados sucessivamente em decisões na "beira do relvado" antes dos jogos... Penso que também por isso não ganha o Rugby feminino maior expressão. Porque interessa a pouca gente como vertente séria da modalidade e mesmo que interesse, basta acompnhar um pouco qualquer equipa para ser ver como é "leviano" o seu campeonato. Fica pois um pouco ingrata a missão dos técnicos, treinadores e afins e incentivam um Rugby serio, jogado á séria, com dedicação e entrega... Não basta ao clubes apoiar o Rugby Feminino, é preciso que se assuma sem meias palavras o que se pretende... e como em tudo o resto, a qualidade vem também da aposta num trabalho internacional contínuo e regular. Isso eleva a qualidade, cria mais metas a atingir e dá masi visibilidade. Este é o meu ponto de vista. Fica o desafio de um "post" sobre o assunto para revitalizar o Blog de que sou leitor regular.